Seja bem-vindo!

Coronel Fabriciano, 27 de fevereiro de 2024

Siga nossas Redes Sociais

Junho Verde: “mês particular para tomarmos consciência da dignidade, nobreza e beleza da Casa Comum”, afirma dom Jaime
15/06 Notícias da Igreja
Compartilhar

A Campanha Junho Verde, de iniciativa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e estabelecida pela Lei 14.393/2022, enfatiza o compromisso pela conservação dos ecossistemas naturais e de todos os seres vivos, bem como o controle da poluição e da degradação dos bens naturais, que são dons de Deus e obras da Criação.

Segundo o arcebispo de Porto Alegre e atual presidente da Conferência, dom Jaime Spengler, o Junho Verde envolve a todos aqueles que desejam e que se sentem realmente convocados a participar do processo de cuidado com tudo aquilo que envolve o meio ambiente.

“Tudo está interligado e, assim, todos são convocados a cooperar para deixar o mundo, a realidade um pouco melhor para as futuras gerações, envolvermo-nos com as ações e o Cuidado com a Casa Comum”, complementa.

O arcebispo explica que a iniciativa é um convite para se escutar a voz da criação e, ao mesmo tempo, escutar os  gritos que merecem atenção, potencializados e na coletividade respondidos com ações comuns. “É o grito das florestas, das terras, das aves, dos animais, é também o grito do subsolo que não está sendo respeitado”, considera.

Para ele, a Campanha Junho Verde é uma oportunidade, uma chance de escutar de modo especial as muitas vozes silenciadas em meio a devastadora crise climática em que o mundo está imerso, representando para nós uma oportunidade particular.

“Façamos desse Junho Verde uma oportunidade para trabalharmos junto com nossos adolescentes, os jovens nas universidades, nas nossas comunidades, os diversos setores da sociedade, porque não só tudo está interligado, mas todos nós estamos interligados”, exorta dom Jaime.

Por fim, dom Jaime deseja que Junho seja um mês  particular para tomarmos consciência da dignidade, nobreza e beleza da Casa Comum. “A Casa que nos acolheu, que nos acolhe e haverá de continuar acolhendo os netos, filhos em vista de um futuro melhor para todos”.

CNBB